Esperança para viver

Todo fim de semana prolongado fala de alegria e tristeza. Alegria, por causa do encontro de amigos e familiares; tristeza, pelo elevado número de acidentes que matam, ferem e mutilam pessoas ansiosas por desfrutar as boas coisas da vida.

É interessante observar que, em 75% dos acidentes com vítimas fatais, o motorista está alcoolizado. Uma atitude preventiva pode evitar que um inocente feriado se torne um campo de batalha, onde centenas de pessoas se despedem da vida.

Ao mesmo tempo em que percebemos na prática de muitas populações o descaso com a vida, um grito ecoa dos laboratórios que estudam a longevidade: “Viver mais e melhor e, se possível, não morrer.” Aubrey De Grey, geneticista da Universidade de Cambridge, é um dos maiores defensores da tese de que é possível ao ser humano viver mais de mil anos. Para Grey, “em algum momento no futuro, com a medicina cada vez mais poderosa, seremos capazes de tratar o envelhecimento com a mesma eficiência com que tratamos muitas doenças atualmente”.

Enquanto a ciência corre em busca da vacina para a morte, imprudência, genética ou falta de prevenção continuarão a ceifar a vida das pessoas que amamos, e a nossa também. Podemos fazer algo para esticar um pouco mais a própria vida? Claro: cultivar o bom humor, amar o próximo, preocupar-nos menos, escolher alimentos saudáveis, beber água limpa, não tomar bebidas alcoólicas, não fumar, dormir mais cedo, fazer exercícios físicos e entregar a vida nas mãos de Deus.

De qualquer forma, quando a morte chegar para alguém a quem você muito ama, lembre-se de que Deus tem um excelente plano para sarar a sua dor. Esse plano é melhor do que jogar um corpo morto num tubo e congelá-lo a 196 graus negativos à espera do dia em que os médicos o ressuscitem. O plano divino foi revelado nas palavras de Jesus Cristo: “Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em Mim, ainda que morra, viverá” (João 11:25).

Jesus Cristo ressuscitou no terceiro dia após Sua morte na cruz, e isso tem implicações para a nossa vida. “Por Seu poder, Deus ressuscitou o Senhor e também nos ressuscitará” (1 Coríntios 6:14). A crença na ressurreição dos mortos é essencial porque “Se é somente para esta vida que temos esperança em Cristo, somos, de todos os homens, os mais dignos de compaixão” (1 Coríntios 15:19).

Crer na ressurreição traz conforto. “Irmãos, não queremos que vocês sejam ignorantes quanto aos que dormem [João 11:11], para que não se entristeçam como os outros que não têm esperança. Se cremos que Jesus morreu e ressurgiu, cremos também que Deus trará, mediante Jesus e com Ele, aqueles que nEle dormiram. … E os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro” (1 Tessalonicenses 4:13,14,16).

Viver um pouco mais aqui, tudo indica, depende muito de nós mesmos. Entretanto, o que nos aguarda ao fim de mais 10, 20 ou 30 anos que consigamos adicionar ao nosso calendário? A escuridão da morte? Woody Allen, cineasta americano, reagiu com grosseria quando lhe disseram que os seus filmes o imortalizariam: “Não quero ser imortal por meio de minha obra. Quero atingir a imortalidade por não morrer.”

Você também quer ser imortal? Só Jesus Cristo pode oferecer vida plena, sem limite: “E quem vive e crê em Mim, não morrerá eternamente” (João 11:26). Você só precisa crer nEle como seu Salvador e aceitá-Lo como o Senhor de sua vida e de sua esperança. Essa atitude garante vida eterna quando Jesus voltar e a certeza de que “Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor” (Apocalipse 21:4).

Francisco Lemos

Comente