Os Dois Jardins

Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar. Gênesis 3:15

Havia uma vez um jardim. Nele se escutavam apenas sons de alegria. Deus plantou aquele jardim e nele colocou os nossos primeiros pais para cultivá-lo e guardá-lo. Mas o jardim da vida se tornou o jardim da morte. O vento gelado da transgressão soprou e dissipou a inocente alegria. Feitos para desfrutar da comunhão com o Criador e com os anjos, Adão e Eva se esconderam, com medo de Deus (Gênesis 3:8).

Mas Deus veio em busca deles. “Onde estás?”, Ele perguntou (verso 9). Esta pergunta ressoa em cada livro da Bíblia. Deus está buscando a humanidade – busca-nos porque estamos perdidos, porque sozinhos não podemos encontrá-Lo. Deus vem até nós para trazer salvação.

Aos nossos primeiros pais, chegou uma palavra de esperança. Deus prometeu uma “semente” da mulher que, no tempo certo, iria esmagar a cabeça da serpente. Embora aquele filho de Eva fosse sofrer no processo – “tu lhe ferirás o calcanhar” – Ele seria o agente divino para assegurar o triunfo do bem no grande conflito contra o mal.

Houve outro jardim. Nele, numa quinta à noite quando a lua estava cheia, um Homem ajoelhou-se para orar. Ele tinha vindo a este lugar muitas vezes, a fim de buscar uma comunhão tranquila com Deus, e havia saído refrigerado. Mas agora suava gotas de sangue. Agonizando ele gritou: “Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice! Todavia, não seja como eu quero, e sim como tu queres” (Mateus 26:39). Aquele Jardim que se tornou o jardim da morte para Jesus de Nazaré  é o jardim da vida para nós. Por estar disposto a sofrer a morte, no lugar de cada homem e mulher (Hebreus 2:9), Jesus reverteu a perda do primeiro jardim.

Embora o calcanhar de Jesus Cristo tenha sido ferido, ao morrer Ele nos salvou libertando-nos da culpa e quebrando o poder do inimigo sobre nós. Agradeço a Deus pela “semente” da mulher!

Autor: William G. Johnsson

Comente