Abuso e violência na Família – O plano de Deus e o pecado

Violencia familiar

Sra. Vanira D. Sarli – MM/UCB 

Nosso Deus é Deus das famílias.

Ele escolheu esta forma social como o meio de agrupar os seres que habitam no Seu Universo.

Infelizmente, as famílias sob o reino do pecado não estão imunes as tragédias. O pecado provocou seu primeiro impacto na família celestial. Ainda assim, Deus não desistiu de Seu plano.

Desenvolvimento do Plano de Deus 

No Éden Ele renovou Sua intenção de que as famílias na Terra fossem Seus filhos.

Paulo, reconhecendo o desígnio de Deus, ajoelha-se diante “do Pai, de quem toma o nome toda família, tanto no Céu como sobre a Terra”. (Ef. 3:14, 15).

A Escritura nos ajuda a entender o plano de Deus para a interação da família. São dadas orientações para uma unidade matrimonial segura e estável onde o amor é manifestado.

O Ideal de Deus 

O relacionamento sexual não só vincula o amor entre os cônjuges, como também suscita a bênção da paternidade.

O amor deve revelar-se nas ações. Deve promanar de toda a relação doméstica, mostrando-se em uma bondade meditada, em cortesia gentil, abnegada. (Patriarcas e Profetas, p. 141).

Desvirtuamento dos Planos de Deus 

Os lares são freqüentemente o palco para a violência.

Pesquisas revelam que um em cada cinco casos tratados deveu-se à violência conjugal.

Em 1992, ocorreram episódios de violência com, pelo menos, dois terços de todos os casamentos nos Estados Unidos.

No Brasil não há estatísticas, pelo medo e tipo de cultura.

Uma em cada oito mulheres casadas serão estupradas por seus maridos.

Mesmo a idade não é proteção. Senhoras idosas são agredidas por seus filhos e familiares adultos.

Pode isto Acontecer em nossa igreja? 

A Southeastern California Conference fez uma Pesquisa, para saber como era a situação na sua área, e o resultado foi:

– Pelo menos 40% das pessoas entrevistadas, aleatoriamente, foram vítimas de abuso físico ou emocional nos seus lares antes de 18 anos de idade, e mais que 25% estavam vivendo em lares com a incidência de abuso.

Toda Violência na Família tem Várias Coisas em Comum 

É internacional.

É inter-racial.

É comportamento aprendido.

É uma escolha feita pelo criminoso.

Sempre é inapropriada.

Pode ser controlada, através de terapia com profissionais treinados.

Deveria ser impedida – este deveria ser o alvo da igreja.

É uma área na qual Deus espera que Seus filhos ajam em Seu favor, para proteger cada membro da família contra estes atos abusivos.

ABUSO FÍSICO 

Envolve Comportamento Agressivo Contra o Corpo da Vítima 

Tais comportamentos incluem:

Empurrar; beliscar; cuspir; chutar; morder; puxar o cabelo; esbofetear; golpear; sufocar; queimar; cacetear; esfaquear; jogar ácido; água fervendo, ou objetos; torcer os membros; derrubar a vítima, empurrar contra a parede, ou jogar da escada; prender; mutilar com facas, tesouras, ou outros objetos perigosos; e o uso de armas. Queimar noivas, mutilar os genitais femininos, constituem abuso físico violento.

ABUSO PSICOLÓGICO ou EMOCIONAL 

Inclui comportamentos tais como:

Crítica consistente e áspera, chamar a pessoa por nomes degradantes e depreciativos.

Ameaças verbais, episódios de furor, depreciação do caráter da pessoa, exigência de perfeição inatingível, possessão excessiva, isolamento, privação de recursos físicos e econômicos.

O ABUSO SEXUAL 

Pode incluir:

Carícias e toques inapropriados.

Comentários verbais sugestivos.

Incesto, molestação.

Estupro, contato oral/genital.

Carícias genitais ou nos seios.

Exposição indecente, etc…

Obs.: O comportamento não precisa ser forçado; é, contudo, abuso quando perpetrado numa vítima menor de idade ou contra a vontade de alguém.

O abuso sexual está incluído entre os devidos motivos para que o membro da igreja seja disciplinado. (Ver Manual da Igreja, 1990, p. 160).

A Origem do Abuso e Violência na Família 

É um comportamento aprendido e moldado.

Os perpetradores desses comportamentos foram, geralmente, criados em lares nos quais sofreram abuso ou observaram abuso em outros membros da família.

O primeiro registro de violência que temos neste mundo foi na família, quando Caim assassinou seu irmão Abel.

Isto provocou uma ruptura no plano de Deus de a família viver unida e em harmonia e amor.

A resposta de Deus foi imediata e inequívoca. Ele viu este ato de violência com muita seriedade. Baniu Caim e colocou sobre ele uma maldição. (Gên. 4:8-16).

A Violência 

A violência é um dos principais pecados humanos que chama a ação de Deus.

A violência não só é um crime social; é um crime contra Deus.

A Violência para com os Filhos 

Com freqüência a responsabilidade dada por Deus para treinar e instruir os filhos é desempenhada através do castigo físico em lugar da disciplina corretiva. Muitas vezes, as declarações de Salomão sobre a “vara”, são usadas para justificar o espancamento e, até mesmo, açoites por qualquer desobediência.

Solução 

Estudos mostram que duas vezes mais vítimas vão ao seu pastor do que vão a médicos e conselheiros.

“Quando os da mesma fé não confrontam um marido abusivo, eles estão privando um homem de pios conselhos e o estão colocando em perigo espiritual”.

As respostas de ministros que incentivam aquela que recebe abuso a suportar o sofrimento com oração, por amor ao Senhor, e a suportar o que der e vier, intensificam seus sofrimentos, desesperança e desvalor. Fazem com que ela sinta que seu único valor é ser uma esposa, não importa o que isto acarrete.

Quando a igreja aceita a possibilidade de que violência pode acontecer entre seus membros, o primeiro passo foi dado na direção certa.

Alvos 

O alvo é levar este abuso e violência domésticos, para a atenção daqueles que podem ajudar a pôr a família em contato com recursos profissionais da comunidade.

Uma rede de apoio de auxiliares e amigos na igreja, que podem estar à disposição em base permanente, também se faz necessário.

Denunciar o abuso se torna, não uma escolha pessoal, mas, uma responsabilidade legal.

O Papel da Igreja 

O pastor também tem a responsabilidade de envidar todo esforço para garantir que o abuso não reincida.

Sermões sobre estes assuntos devem ter um destaque regular.

A família da igreja, na sua totalidade, deveria ser informada adequadamente que o problema da violência, em nossa sociedade, pode atingir nossos próprios lares.

Não deveria haver dúvida quanto à posição do cristão com relação a este problema.

Orações deveriam ser feitas com regularidade, implorando por auxílio para aqueles que estão sofrendo violência em suas casas, onde quer que vivam.

Soluções e Estratégias 

Precisamos, agora, trabalhar arduamente e orar com fervor para trazer para a família terrena as qualidades da família celestial.

Aumentar a atenção dos pastores e líderes da igreja quanto às possíveis responsabilidades legais e/ou susceptibilidade que têm, quando casos de abuso e violência doméstica são tratados inapropriadamente no âmbito da igreja.

Comunicar aos membros da igreja mundial a incompatibilidade existente entre o abuso e a violência domésticos e a compreensão bíblica dos ideais de Deus para esposos e esposas, pais e filhos e todos os demais relacionamentos humanos.

Quebrandoosilencio.org

Comente