Kit da Felicidade

O chi­nês Sang Lee, au­tor do li­vro Li­ber­te, dis­se nu­ma de suas con­fe­rên­cias que o casamen­to po­de ser uma ver­da­de ou um fa­to. E pros­se­guiu: “Qual­quer ca­sal que an­da jun­to na rua não pas­sa de um fa­to”.

Mas quan­do a com­pa­nhia en­tre duas pes­soas com­pro­me­ti­das pas­sa a ser ver­da­de? “So­men­te quan­do ex­pres­sam amor e sa­be­do­ria no re­la­cio­na­men­to”, ga­ran­tiu ele. (Pro­vér­bios 15:16). A in­ten­ção do sá­bio Sa­lo­mão não é des­mo­ti­var os ca­sais na bus­ca do pro­gres­so material. Pe­lo con­trá­rio, ele es­tá ape­nas ex­pon­do uma das con­di­ções bá­si­cas pa­ra al­guém al­can­çar prosperi­da­de com fe­li­ci­da­de: vi­ver em har­mo­nia com Deus. Quan­do esque­ce­mos de Deus, cor­re­mos o risco de le­var uma vi­da va­zia, sem um pon­to de par­ti­da e sujeita à an­sie­da­de. “O te­mor do Se­nhor é o princí­pio da sa­be­do­ria” (Sal­mo 111:10), é a ên­fa­se da Bí­blia. O ca­sal que dei­xa de la­do as ba­ses da fé, perde de vis­ta os pro­pó­si­tos sa­gra­dos do matri­mô­nio. O ca­sa­men­to que des­car­ta a re­li­gião, em ge­ral minimi­za ou­tros prin­cí­pios fundamen­tais pa­ra o bem-es­tar do re­la­cio­na­men­to, co­mo o res­pei­to e a lealdade. E com o tem­po, o que pa­re­cia ver­da­de, de­mons­tra que nun­ca pas­sou de um fa­to.

Pa­ra Lee, ver­da­de é “uma coi­sa ca­lo­ro­sa, agra­dá­vel e bo­ni­ta”. Ao ou­vi-lo, lem­brei-me de mui­tos ca­sos de es­tran­gei­ros se ca­san­do com ame­ri­ca­nas pa­ra con­se­guir uma car­ta de re­si­dên­cia nos Es­ta­dos Uni­dos. Es­ses ca­sa­men­tos são um fa­to, são le­gais, mas não são ver­da­de.

Cer­ta vez uma mo­ça che­gou cho­ro­sa ao tra­ba­lho e con­tou pa­ra os co­le­gas da se­ção ha­ver si­do abandona­da pe­lo ma­ri­do na­que­la ma­nhã. Es­pan­ta­da, de­sa­ba­fou: “Co­mo? Ele nun­ca re­cla­mou de na­da! Nun­ca dis­cu­ti­mos!” Ago­ra sei a cau­sa da­que­la se­pa­ra­ção: o ca­sa­men­to de­les era ape­nas um fa­to.

O pla­no de Deus em re­la­ção ao ca­sa­men­to é que ca­da união en­tre ho­mem e mu­lher se­ja também uma ver­da­de. “O pri­mei­ro in­gre­dien­te da ver­da­de” – en­fa­ti­zou o chi­nês – “é o amor; mas o amor não so­bre­vi­ve sem a sa­be­do­ria”, acres­cen­tou. En­quan­to o amor é um dom, al­go que bro­ta sem es­for­ço, a sa­be­do­ria é adqui­ri­da por meio da con­quis­ta. Re­sul­ta de nos­sa ini­cia­ti­va, é fru­to da pes­qui­sa.

A Bí­blia é uma fon­te de sa­be­do­ria ao nos­so dis­por. Se vo­cê é ca­sa­do, e quer sal­var o casamen­to, pres­te aten­ção a es­tes três con­se­lhos:

(1) “Me­lhor é o pou­co, ha­ven­do o te­mor do Se­nhor, do que um gran­de te­sou­ro, on­de há inquie­ta­ção”

(2) Pa­ra que o ca­sa­men­to se­ja sem­pre ver­da­de, con­vém ao ca­sal fi­car aten­to pa­ra o se­gun­do con­se­lho: “Me­lhor é a re­preen­são fran­ca do que o amor en­co­ber­to” (Pro­vér­bios 27:5). O casamen­to de­ve dis­por de tem­po pa­ra o de­sa­ba­fo dos res­sen­ti­men­tos. De­ve-se la­var rou­pa su­ja em ca­sa. Nas pa­la­vras de Sa­lo­mão po­de-se achar que exis­te um apa­ren­te con­fli­to en­tre o amor e a sabe­do­ria; pois o amor es­con­de pa­ra não ma­goar, e a sa­be­do­ria ex­põe pa­ra es­cla­re­cer e aproximar. Nes­sas ho­ras tem-se que di­zer pa­ra o amor: es­pe­re um pou­qui­nho, che­gou a vez da sa­be­do­ria. Co­mo a sa­be­do­ria é pru­den­te, ela se ma­ni­fes­ta sem­pre de mãos da­das com o amor. A sa­be­do­ria tra­ta com objetivida­de o as­sun­to em dis­cus­são, sem per­der de vis­ta a sub­je­ti­vi­da­de dos sentimentos de quem es­tá ouvin­do. Se uma das par­tes não quer mais fa­lar nem ou­vir o que o ou­tro sen­te em re­la­ção a ela, é porque o ca­sal es­tá so­fren­do uma re­caí­da da ver­da­de pa­ra fa­to.

(3) O úl­ti­mo con­se­lho diz res­pei­to ao es­ta­do de es­pí­ri­to: “O co­ra­ção ale­gre é bom re­mé­dio, mas o espíri­to aba­ti­do faz se­car os os­sos” (Pro­vér­bios 17:22). Se vo­cês se sen­tem bem, pro­cu­rem ex­pres­sar is­so, atra­vés do ros­to e de ges­tos. Um ca­sa­men­to sem ex­pres­sões mú­tuas de ter­nu­ra e ca­ri­nho não é ver­da­de.

Comente