Mães solteiras x Sociedade moderna

Há poucas décadas, a mãe solteira ou divorciada era um fenômeno isolado e ocasional. Hoje, se agruparmos as famílias monoparentais, ou seja, com um único progenitor (pai ou mãe), perceberemos que, em muitas comunidades, seu número se equipara (e, às vezes, ultrapassa) o de famílias tradicionais. A família monoparental (formada por um dos pais e um ou mais filhos) origina-se a partir de causas como o divórcio, a morte e a violência familiar.

Nessas condições, os desafios são gigantescos. A mãe ou pai solteiro sofre pela carência do apoio físico e emocionalshutterstock_124214356_pp que um casal bem constituído oferece. Além disso, o responsável pelo filho conta com menos tempo para atender às necessidades dele e do trabalho. As tarefas domésticas se tornam mais difíceis e as receitas financeiras são reduzidas, dando origem a uma situação precária. No caso de divórcio, ainda existe o agravante de a relação com o ex-conjuge se tornar desagradável.

Como se todos os desacertos costumeiros não bastassem, a pessoa (quase sempre a mãe) corre o risco de sentir solidão e tristeza pela necessidade de suporte emocional. Às vezes, a mãe tenta usar os filhos para suprir necessidades que deveriam ser preenchidas pelo relacionamento social. Uma situação assim pode se complicar, criando armadilhas e riscos.

Estresse em família – Ser mãe de filhos pequenos aparece entre as cinco ou seis primeiras ocupações que provocam maior estresse à mulher. Acrescentada a condição de família monoparental, os níveis de esgotamento podem chegar a ser perigosos. Se você está passando por essa experiência semelhante ou tem algum familiar nessa condição, as dicas a seguir podem ajudar a prevenir e enfrentar o problema.

  1. Reorganize sistematicamente sua vida. Estabeleça uma rotina fixa e não mude, embora ela pareça monótona. A regularidade nas atividades diárias proporciona segurança e estabilidade aos filhos, tornando as tarefas mais simples e fáceis.
  2. Organize sua vida financeira. A insuficiência de recursos é uma fonte típica de estresse na família monoparental. Faça um pequeno orçamento, liste seus compromissos e compare-os com sua fonte de renda. Procure não fazer despesas até ter a devida segurança de haver cumprido todas as obrigações. Explique também aos filhos que nem sempre é possível ter aquilo que se deseja.
  3. Procure apoio confiável. Mesmo que você se considere com capacidade suficiente para enfrentar todas as tarefas, seja realista. Procure ajuda de familiares ou de amigos ou, se as condições financeiras permitirem, pague uma pessoa de confiança para ajudar nas tarefas domésticas.
  4. Não se esquive das perguntas de seus filhos. Seus filhos farão perguntas a respeito do pai ou da mãe. Responda com sinceridade e no devido tom emocional, sem exagerar ou demonstrar rancor. Explique o fato de modo adequado à idade da criança.
  5. Exerça disciplina racional e uniforme. Estabeleça regras e normas na família; podem ser poucas, mas devem ser cumpridas. Na verdade, os filhos agradecem por terem limites fixados. Ensine-os a trabalhar e cooperar desde pequenos. Mantenha uniformidade nos critérios e comunique essas expectativas a quem lida com as crianças, inclusive, o ex-cônjuge (se for o caso).
  6. shutterstock_138740120_ppDedique tempo aos filhos. Eles precisam de você e é melhor sacrificar algumas tarefas domésticas para poder realizar atividades em família. Ler, brincar, passear, entre outras coisas são opções para seu momento familiar. Não permita que seus filhos gastem muito tempo com televisão, mas ensine-os a valorizar o tempo em família, pois isso fortalece os laços.

 

Cuidado!

A mãe solteira trabalha intensamente, sem oportunidade de satisfazer suas necessidades de relacionamento e comunicação como pessoa adulta. Ao chegar em casa, encontra-se com os filhos, os quais têm, logicamente, necessidades infantis como brincar, rir, falar de coisas rotineiras, etc. Nessas circunstâncias, existe o risco, de a mãe utilizar os filhos como fonte de apoio emocional e interpessoal. Se você notar que tem gastado tempo exagerado conversando com eles a respeito de seus problemas e conflitos, lembre-se de que eles não têm capacidade emocional, nem experiência para desempenhar papel de adulto.

Além de os aborrecer, você também poderá confundi-los ao falar com eles sobre suas frustrações. Seus filhos devem satisfazer suas necessidades como crianças, e você é o meio para que eles possam conseguir isso. Nesse caso, o melhor mesmo é que você se mantenha no nível infantil com seus filhos. Mas, procure também a companhia de amigos e parentes adultos para suprir suas próprias necessidades emocionais.

Cuide-se bem, pois, se adoecer ou se abalar emocionalmente, a família inteira sofrerá. Assim, sua saúde física e mental será mais facilmente preservada.

Comente