Abuso Sexual Infantil – Supernecessário saber…

É difícil para a maioria das pessoas imaginar um adulto tendo prazer sexual com uma criança, mas a realidade que nos cerca cada vez mais está mostrando como isso é real, doloroso e deixa marcas severas na vida dos envolvidos.

Algumas das frequentes perguntas que surgem a respeito do assunto com suas respostas podem ajudar a esclarecer algumas questões sobre o abuso sexual infantil.

Qual a definição de abuso sexual infantil?

Muitos pensam que abuso sexual infantil é ter uma relação sexual completa com uma criança, mas a definição é muito mais ampla do que isso. Podemos caracterizar o abuso como: tocar a boca, genitais, bumbum, seios ou outras partes íntimas de uma criança com objetivo de satisfação dos desejos; forçar ou encorajar a criança a tocar um adulto de modo a satisfazer o desejo sexual. Fazer ou tentar fazer a criança se envolver em ato sexual. Forçar ou encorajar a criança a se envolver em atividades sexuais com outras crianças ou adultos. Expor a criança a ato sexual ou exibições com o propósito de estimulação ou gratificação sexual. Usar a criança em apresentação sexual como fotografia, brincadeira, filmagem ou dança, não importa se o material seja obsceno ou não.

Quais são as principais estatísticas que existem sobre o assunto?

O número de crianças e adolescentes abusados sexualmente no Brasil é cada vez maior, mas só uma minoria apresenta queixa. Isso se dá devido ao grande trauma psicológico acarretado e também porque muitas vezes o abusador mantém algum grau de parentesco com a vítima, quando não é o próprio pai ou padrasto, o que gera medo de retaliação. As estatísticas brasileiras a respeito de abuso sexual infantil estão defasadas, faltam verbas, falta preparo de quem acolhe as denúncias, faltam mais pesquisas. Em 2008, o Disque 100 recebeu cerca de 25 mil denúncias. Em 2008, a SaferNet Brasil, uma organização de combate à pornografia infantil na internet, recebeu 42.122 denúncias sobre abuso. Assim mesmo, sem muitas estatísticas, os números são alarmantes, e têm crescido a cada ano por haver mais esclarecimento sobre o assunto, por haver mais divulgação, mas também pela maior possibilidade de acesso às crianças.

De que forma a criança pode demonstrar aos pais ou responsáveis que sofreu abuso?

Os principais sinais que a criança pode mostrar e podem ser observados pelos pais, professores ou outro cuidador da criança são: conhecimento ou comportamento sexual fora do esperado. Mudanças no comportamento como perda do apetite, pesadelos, medo de dormir, se afastar das atividades rotineiras. Afastamento dos amigos. Voltar a fazer xixi na cama. Chupar o dedo. Dificuldade de concentração na escola. Medo de alguma pessoa, ou pânico de ser deixada em algum lugar ou com alguém. Comportamento agressivo ou perturbador, delinquência, fuga de casa ou prostituição. Comportamentos autoagressivos. Irritação genital ou sangramento, inchaço, dor, coceira, cortes ou arranhões na área genital, vaginal ou anal.

Qual deve ser a postura dos pais?

Em primeiro lugar, não entrar em pânico. Muitas vezes, os pais já até tinham algum “pressentimento” sobre determinada pessoa, mas não deram a devida atenção à sua percepção. A criança pode ter medo de contar aos pais ou familiares, pois muitas vezes o abusador faz ameaças a ela ou aos seus queridos. Se a criança conseguir contar aos pais, atenção! Acreditem, dificilmente uma criança inventa histórias dessa natureza. Conforte a criança. Explique que não foi culpa dela. A culpa é do abusador e ele fez algo muito errado. Deixe a criança saber que você sente pelo que aconteceu. Fale a ela que você vai fazer de tudo para que isso não aconteça novamente. Leve a criança e a família para um aconselhamento ou terapia.

Quais as principais sequelas do abuso sexual infantil e como tratá-las?

As principais consequências são:

Confusão
– A criança pode achar que é normal porque o abusador disse que é, mas é confuso por que ele também falou para não contar para ninguém.

Culpa
– Por não ter feito nada para parar o abuso; porque às vezes podia sentir algo bom; sentia que recebia coisas especiais por fazer aquilo; acha que fez algo para que o abuso acontecesse; é tão má que mereceu o abuso.

Medo
– De ter sofrido um dano físico irreparável; de ser descoberto pelos outros; de que só de olhar para ele saberão que é mau.

Raiva
– Do abusador; de si mesma, por não parar o abuso, ou por gostar; do  pai/mãe que não a protegeu de ser abusada pelo pai/mãe; pode parecer uma criança passiva e submissa, mas está explodindo por dentro; pode descarregar sua raiva maltratando animais ou crianças menores

Perda da confiança – Nos pais; nos adultos.

Se isso aconteceu com alguma criança que você conhece, busque ajuda especializada. Leigos no assunto com frequência machucam mais do que ajudam.

Cláudia Bruscagin Schwantes

quebrandoosilencio.org

Comente

Current ye@r *


  1. Solitário

    Olá,

    Eu fui abusado por dois períodos, o primeiro aos 5 anos, e o segundo aos 11. Meu agressor não é muito mais velho que eu (5 anos), e foi abusado também. Ele é alguém próximo. Uns meses atrás, chamei-o para conversar sobre o ocorrido, já que não há chance de denunciá-lo, pois são 19 anos e relações familiares intrincadas por sobre o meu segredo. A atitude do meu agressor foi algo como “já que me fizeram isso, fiz o mesmo contigo”. Não o odeio nem nada, apenas quero distância dele. Eu já quis muito matá-lo. Pensava muito em suicídio, e ainda penso de vez em quando. Eu senti muita pena de mim mesmo, o que não me trouxe nada. Hoje, agradeço a Deus por não ter me tornado um molestador – minha família tem muitas crianças.

    Mais do que o ato em si, que não teve coação física e foi prazeroso (afinal era sexo), o que me angustia e deprime é não ter tido uma adolescência em função disso. Me tornei alguém fechado e desconfiado demais. Meu primeiro envolvimento afetivo relevante aconteceu há pouco mais de um ano, aos 28 de idade, e foi curto e ruim. Eu não tive qualquer capacidade de receber o carinho e afeto que me foram oferecidos. Precisei de psicoterapia pra enxergar que o meu passado teve peso no desfecho desse relacionamento. Confiar nas pessoas ainda é difícil, pra mim. Sou de poucos amigos.

    E não ter um passado me ajuda a crer que o futuro não será muito diferente. Peço muito a Deus que me conforte, e me ajude a não ferir ninguém. Eu era acostumado a gostar sem ser gostado. Mas ser gostado por alguém e nem ao menos se abrir para isso é muito pior. Quero dividir minha verdade com outras pessoas, embora falar não ajude muito. Não espero nem quero pena, apenas respeito. Tem vezes em que dá vontade de simplesmente sair por aí gritando o que me aconteceu…

    Nunca contei nada a ninguém, já que o abuso era uma “brincadeira”, e a comunicação em minha casa não era lá essas coisas. Às vezes tenho rancor de minha mãe, que estava por perto e nunca desconfiou de nada, ou ao menos nunca perguntou nada. Mas ela foi a mãe que pôde ser.

    E hoje eu sou um rapaz gentil, trabalhador, estudioso e frio. Em função do abuso e de decepções amorosas, eu escondi meus sentimentos em algum lugar que não tenho a menor idéia… Às vezes acho que é melhor deixar eles lá. Eu não consegui trazê-los pra fora quando era preciso e perdi, talvez não a mulher da minha vida, mas alguém muito especial.

    Aos que, como eu, lutam contra um passado tão presente, desejo paz e força pra resistir.
    Abraços



    1. Débora

      Eu não conheço vc mas sei de uma coisa, Deus pode curar e sarar qualquer ferida por mais dolorida e impossível que parecer. Busque Ele e conte tudo exatamente da forma que vc sente e pensa e peça ajuda que vc verá a diferença.



      1. Solitário

        Oi Débora,
        Respondendo seu comentário, eu creio em Deus. De vez em quando eu divido meus pensamentos com Ele. Ele sabe.



    2. ray

      ola solitario.. nem sei se voce ainda olha essa pagina mas se vc olhar quero muito ajudar vc… lhe mostrar a transformação que deus pode dar na sua vida e curar seu coração… te GARANTO que vc vai superar todo o seu passado ou pelo menos cicatrizar a ferida… rayanneprojectus@gmail.com



    3. jhenifer

      eu nao fui abusada mais quero que as pessoas que faz isso que sejam pressos nao dessejo mal a ninguei mais isso e crime quem ja sofreu isso sabe disque 100 ligue para o conselho tutelar nao esquecão disque 100 ou fale com seus pais ou professores meu nome e jhenifer nycole



  2. lizete

    oi, obrigada por trazer dicas de como lidar com situacoes de abuso sexual de menores, sou mae e tenho muito medo. todos os pais tem de ficar bem atentos e quando desconfiam de alguem evitar o maximo que o menor fique sozinho com o suspeito.



  3. Evelyne

    eu fui abusada quando tinha entre 8 e 10 anos…….. foram dois anos que destruiram a minha vida,
    não sabia nada de sexo….. nada mesmo….. mas de alguma maneira sabia que aquilo estava errado….. nunca ninguem tinha me tocado daquele jeito, doía porque eu ficava tensa, me sentia suja, má….. isto mesmo que diz no texto……
    hoje tenho 21 anos e tento viver normalmente mas a gente nunca esquece……….



  4. euu

    eu comesei com meus 5 anos ..eu via nas revistas nos filmes e acabei me viciando com isso ..
    é muito ruim doi muito só de pensa nisso.eu nunca falei pro meus pais.nao fasa se for pequeno :(



  5. Erik

    Sou homem e só Deus sabe o quanto é difícil… foi abusado pelo meu pai durante anos, e só quando tinha 20 anos consegui dar um basta e contar para meus irmãos e minha mãe (meus pais são separados)… durante muitos momentos pensei em suicídio, rezava a noite pedindo para Deus me levar…sentia vergonha, medo da reação dos parentes, sentia-me preso…. não conseguia encontrar uma solução… até que criei coragem e contei para minha mãe e irmãos… hoje em dia tenho 29 anos e é muito difícil lembrar de tudo, sempre que começo a pensar no assunto começo a chorar, não tem jeito… lamento muito não ter criado coragem de denunciá-lo naquela época… esse maníaco doente deveria apodrecer na cadeia… infelizmente não tenho como provar agora e por isso não divulgo o nome dele… penso em montar uma ONG para combater esse tipo de criminoso e dar apoio às pessoas que sofreram ou sofrem esse tipo de abuso por parte desses doentes…



    1. michelle

      abraços



      1. HYGO

        EU SOFRI ABUSO SEXUAL AOS 11 ANOS PELO PRIMO DO MARIDO DA MINHA TIA NO DIA EM QUE ACONTECEU SÓ HAVIA EU E ELE NA CASA ELE TINHA 24 ANOS E ME SENTI IMUNDO COMO SE EU MERECESSE MORRER POR NAO TER FEITO NADA… POR NAO TER IMPEDIDO ESSE MONSTRO DE ME TOCAR HOJE CHORO SO DE LEMBRAR



        1. preocupada

          há uma nova lei que estenbdeu o prazo pra porpor ação criminal contra o abusador sexual.

          segue link pra vc entender:
          http://www.teresasurita.com/2012/05/lei-estende-prazo-de-prescricao-de-crime-sexual-contra-crianca-e-adolescente.html

          vc ainda tem tempo, faça alguma coisa!



    2. Comendadora Zenaide Azevedo

      Olá Erik. boa tarde. Li seu depoimento e não deixo de me solidarizar contigo. Entendo sua posição, imagino o que tu sentes . espero em Deus que algum dia você possa superar este trauma horroroso, Pois sei que não deve ser fácil conviver com sentimento de nojo , culpa, fragilidade, horror, tudo ao mesmo tempo quando somos acometidos de recordações tão vis atribuídas por pessoas que fizeram parte de nossas vidas. Espero podermos conversar a respeito desta Ong,
      Atualmente estou preparando uma palestra sobre este assunto a ser apresentado em nome de uma outra Ong cujo nome é “RENASCER”, Onde estamos elaborando projetos, de modo que venhamos combater não só o ato de abuso sexual infantil, como também abordar sobre Pedofilia, Homosexualismo devido a abuso, enfim. como disse , um assunto bem abrangente mas que nos leva a um único foco: “O ABUSO SEXUAL INFANTIL” Precisamos tornar este grito silêncio num eco maior do pudermos atingir. Posso contar com sua colaboração?
      Um grande abraço, Espero tornarmos grandes amigos em Nome de Jesus.
      By: Comendadora Zenaide Azevedo



    3. Evely

      Erik.. lì tambem a tua historia , triste historia.. eu sinto muito. mas se aceita conversar comigo tenho historias muito parecidas , gostaria de fazer parte da tua ong.. essa parte da minha vida com esses traumas e com outros traumas ainda 1000 vezes piores que os meus me atormentam quase todos os dias, quero encontrar uma soluçao para ajudar quem sofre ..quero muito fazer justiça. sonho com a justiça, estou a disposiçao um abraçp .. vc nao esta so’ ao carregar essa cruz eu estou aqui ..



    4. preocupada

      vc acha mesmo q ñ há como provar?

      a questão ñ é vingança..apenas senso de justiça…
      leia este artigo:
      http://www.teresasurita.com/2012/05/lei-estende-prazo-de-prescricao-de-crime-sexual-contra-crianca-e-adolescente.html

      vc ainda tem tempo…



    5. FRED FREEMAN

      Amigo, o seu caso tb se enquadra na resposta acima, quer dei à LÁGRIMA. Namastê!



  6. evaldo

    Olha Lagrima,
    Seu grito silencioso esta tão alto que se pode ouvir nas palavras do seu desabafo personalizado em ‘Lagrima’.
    Se sua condição financeira ou geografica nao lhe permite uma terapia com um profissional qualificado, pense e procure se adaptar a isto que informo lhe a seguir.

    Vou lhe dar duas informacoes para que voce comece a trabalhar a sua mente.

    Primeiro. Isto foi um acontecimento isolado, não é rotina na sua vida. Trabalhe sua mente nesta dinamica.
    Segundo. Sobre o violentador. É tambem uma pessoa distinta, isolada. Não é atributo da maioria das pessoas.

    Acredito que se voce conseguir avaliar esta duas questoes no seu intimo voce comecara a se sentir mais confortável e com certeza se sentirá mais segura na sua vida relacional afetiva.

    Meu abraco carinhoso e desejoso de superação.



  7. Lagrima

    Sofri abuso sexual aos meus 11 anos!!
    hoje tenho 20 e ainda nao consegui superar esse trauma!!
    Pois tbm minha historia nao é nada legal, Alem de ter cido abusada pelo meu cunhado, que eu considerava ele como um pai, minha familia errou na atitude quando solbe desse asunto!
    Minha irma ainda continua casada cm ele, ele esta solto nao foi denunciado esse casoo!
    eu nao me tratei na epoca cm picicologos soó fiz alguns exames mas nada!
    e ele continua frequentando minha casa e minha vida!
    Pois HJ sofro muito mais do que nao epoca que era muito infantil e nao entendi direito o que estava acontecendo!
    meu pai é o unico da familia que nao sabe do asunto!
    e Hj sofro muito tem epocas que eu fico tao pra baixo que emagreço nao consigo comer!
    hj sei que preciso de Ajuda e que nao suporto mais olhar na cara dele que minha irma mesmo sabendo de tudo ainda leva ele na casa de meus pais onde eu moro!
    tenhu muita dificuldade cm namoros, pois nao sinto vontade de ter relaçoes, e tbm desconfio de todos e de tudo!!
    Preciso de Ajuda nao sei mais o que fazer pois sempre que me lembro da historia eu tenhu crises de vonitos e me sinto mais culpada de ter deixado td isso acontecer!!!
    O que eu posso fazer da minha vida???
    preciso de AJUDA!

    SOCORRO!!!!



    1. Marcelo Raposo Carneiro

      É difícil falar nesse assunto, mai saiba que Deus pode te ajudar, só entende de dor quem já foi ferido… desejo que vc encontre um novo caminho para sua vida… vc vai superar esse trauma, acredite!!!!!!!!!!!!!!!!!!



    2. Internauta

      Olá,

      Eu nunca sofri de abuso sexual, ainda bem. Minha mãe já,mas ela nunca me contou nada.
      Querida,espero que sua vida seja doce e possa encontrar alegria e esperança para viver.
      Vc ainda sofre de abuso? Conte para seu pai, é importante!!! Talvez ele te compreenda e de um
      basta na situação e até fale com a sua irmã sobre a fria que ela entrou. Vc tem um homem para te defender e ainda não tentou isso? Seria bem pior se seu pai não estivesse lá, o papel masculino é importante; Depois acho que vc não precisa nem é obrigada a estar lá quando ele for na sua casa. Dê queixa a polícia também. Seje forte e lute sempre. O abuso pode ser físico mas é principalmente e primeiramente psicológico, e é o que fica. Temos que ser forte psicologicamente não deixar ninguém nos enganar, os fracos sempre são abusados de alguma forma enganados passados para tras. Nesta vida temos que ser fortes para ir atras do que queremos conquistar. De qualquer forma a culpa não é sua, Deus te fará justiça, cada um pagará pelos erros que cometeu nesta Terra. Homens maus mulheres más existem muitas. Tenha fé pois existem pessoas muito boas, sexo é amor e carinho, amizade, compreensão, cumplicidade. Espero que possa experimentar coisas boas na vida. Mas não seja vítima de sua situação, vc não é mais criança;. Desculpe minha ignorancia no assunto . boa sorte.



    3. Mírian

      Lágrima,

      se abra com seu pai. Ele poderá ao menos proibir o monstro de entrar em sua casa. Fale com ele. Não se prove disso. Faça uma boa terapia e sme preconceitos procure um psiquiatra para lhe fazer uma avaliação.
      beijão e espero ter colaborado



    4. Elaine

      Procure ajuda profissional e se possível denuncie. Ainda há tempo.
      Nao sofra calada, este sofrimento nao vai passar sozinho; vc é nova e tem o direito de refazer sua vida.



    5. Rosane da Silva Raphael

      Sei e imagino o que passou e tem passado, pois aconteceu comigo. E hoje, o que restou de mim, é uma mulher insegura, desconfiada de tudo e de todos. Mas imaginar que posso estar ajudando alguém me faz me sentir melhor. Pra começar fui abandonada por meus pais. O homem que eu acreditava ser meu pai , descobri que não era. De certa forma nunca foi, pois não tive essa figura em minha vida. Fui criada por uma senhora que hoje está com 95 anos e hoje quem cuida dela sou eu. Tomo medicamento e faço tratamento terapêutico, onde posso desabafar meus sentimentos. Por anos da minha vida. Somente assim tenho conseguido sobreviver nessa selva. Eu me senti suja e culpada por anos da minha vida. Eu me auto punia, batendo minha cabeça, meu braços e mãos pelas paredes e me odiava. Tentei suicídio e mesmo com todo tratamento ainda tenho recaídas nesse aspecto. Isso aconteceu na minha infância. Hoje tenho 45 anos e jamais vou esquecer. Apenas aprendi a lidar com o que fizeram comigo. Morávamos no mesmo quintal, era meu vizinho , casado e com dois filhos. Ele está impune até hoje. Ele abusou também da própria sobrinha. Eu era uma menina muito pobre e desamparada, nunca tive orientação da pessoa que me criou. Ela sempre esteve distante de mim. Eu me sentia um peso na vida dela. As vezes sinto grande revolta em meu coração. A psiquiatra disse que vou ter que tomar remédios por toda a minha vida. Não é fácil não. Procurei ajuda de todas as maneiras e ainda busco. A última ajuda que estou tendo é de um psicólogo , pastor e professor. Seu nome é pastor Paulo César Pereira. Vou deixar o telefone dele e alguns contatos dele. Pode ter certeza que o trabalho dele é excelente, tem me ajudado muito. Você precisa por pra fora toda essa revolta,mágoa e indignação que há dentro de você. E ele tem técnicas seguras para fazer esse trabalho. Quando eu tomava banho me esfregava até me ferir. Chorava o tempo todo e não queria me relacionar com o mundo exterior. Hoje superei muitas coisas. Isso leva tempo e dedicação própria. Não perca seu tempo conversando com quem não passou pelo mesmo que nós. Não nos ajudam e só nos colocam prá baixo. Procure fazer algo que você goste e que te dê prazer. Isso é indicação psiquiátrica e da terapeuta. Eu gosto de pintar quadros. E quando me sinto melhor, é lá que procuro me distrair. Espero ter te ajudado de alguma forma. Ainda bem que hoje tem leis que punem esses psicopatas.. Ao menos as criancinhas de hoje tem a chance de ver seus abusadores atrás das grades e sofrendo o que nos fizeram sofrer. Bom o telefone dele é (21) 8860-1194 e 9621-5623 prpaulopsi@uol.com.br Veja mais em http://www.saudeemocionalevidacrista.blogspot.com Se você puder adquirir o livro dele O afeto que alimenta Preço de 20,00 é barato e de muita ajuda. Posso também te indicar outros livros que não são dele mais que ajudam muito: Mentes perigosas de Ana Beatriz Barbosa Silva ( fala sobre a psicopatia e como é o cérebro de um psicopata) Saiba que quando se é criança, não há nenhum tipo de culpa, pois criança é inocente. Criança não tem maldade. E quando somos adultos e forças a algo que não queremos, somos vítimas desses maníacos. Mas saiba acima de tusso que estou te falando, existe um Deus. E busco nele forças para eu continuar. Sentir medo, angústia, pânico, desconfianças, baixo auto-estima, vontade de suicídio, etc fazem parte dos pessoas que sofreram traumas profundos. Não perca a sua fé e busque ajuda com verdadeiros profissionais. Fica com Jesus!



    6. Evely

      oi querida.. li a tua historia e’ tao parecida com as historias da minha familia .. quero poder te ajudar em algum modo.. ate mesmo atraves da amizade vc aceita?? quero muito falar com vc.. e te escrever a minha historia posso ? um abraço bem apertado



    7. Evely

      querida oi lì a tua historia.. e quero te ajudar e tenho coragem pra isso .. se vc e’ de acordo eu mesma posso te ajudar a e falar por vc denunciar pra policia e falar com o teu pai.. se eu puder ajudar estou aqui .. acima segue o meu e-mail.. se quiser ser minha amiga pra mim seria um prazer, tenho historias muito parecidas e procuro ajuda para enfrentalas.. mas vou conseguir o meu problema e’ que preciso de ajuda para enfrentar os montros somente isto mas estou contando as horriveis historias e so’ o fato de falar sobre e’ ja’ uma defesa.. um abraço me faça saber se me quer como portavoz



    8. guediel

      olha eu estou sofrendo por uma situação parecida, mais não é comigo e com a minha mulher. ela foi abusada com 4 anos de idade e com medo pelas ameaças que o verme fazia ela escondeu isso dos pais e tambem por que os pais dela não dava a devida atenção a ela! os anos foi passando e ela gardou esse segredo com ela e so depois de 25 anos que aconteçeu ela resolveu se abrir com alguem nesse caso eu,que sou marido dela. nossa eu fiquei e estou chocado e quero podela ajudala muito mais não sei de que forma se eu pudesse acabaria com a vida desse mizeravel. sabe eu não a favor da pena de morte mas nesses casos deveria se abrir uma exceção. não sei como divulgar! mais vou procurar saber e pedir ajuda a todos para fazermos um baixo assinado em massa pedindo a dilma nossa presidente que abra essa exceção e crie uma lei que julgue esses casos a pena de morte.por que se não nossas crianças e mulheres continuaram sofrendo esses tipos de abusos e crimes.



      1. gilsa

        conte comigo precisamos acabar com esse mostro,realmente precisa de uma lei mas dura.



      2. Flávia

        PARA QUE TODOS SAIBAM: Pedofilia não tem cura! Se o criminoso volta prá rua vai fazer TUDO DE NOVO! Na minha opinião só existe uma solução: a dos norte-americanos: CASTRAÇÃO QUÍMICA!!!



    9. meu nome não importa

      Fala com teu pai, conta tudo, do começo ao fim e mostra esse artigo pra ele.



    10. Ana Luiza

      Lamento a sua história, acho q vc ainda deveria denunciar ele e a sua irmã tbm q não fez nada pra acolhe lá , ela êh tão pior qto ele q consente as atitudes nojentas dele… Os dois deveriam ir o cadeia! Dou o maior apoio p vc buscar ajuda na delegacia dos menores.. Se informe combo q possa ser feito… Mas se não adiantar muito … Levante a cabeça não chore… Busque um trabalho e faca a sua vida longe dessa casa q só te põe para baixo!!! Seja corajosa q vc conseguira e não precisara mais olhar p esse cara nem p sua irmã …



    11. josiane

      faca o mesmo q eu continua vivendo a vida ,pois tambem nao tive a oportunidade de me consutar com um pscolago.gracas a deus conheci uma pessoa maravilhosa na minha vida ,meu marido sidinei que ate hoje so me deu carinho e amor.Resultando tudo isso estou conseguindo superar tudo isso na minha vida ,pois ele sabe de tudo .
      Tambem sofri um abuso com meu padrasto!



    12. Criança Feliz

      Olá, Lágrima!

      Me deixou muito triste o seu comentário, pois passei por uma situação dessas desde muito pequena e durante muito tempo, até que minha mãe se separou do agressor, e eu nunca mais o vi. Hoje penso como seria se tivesse que conviver com ele. Sei da sua dor, teve uma época da minha vida que quase pirei, do tanto que isso me doía. Fiquei tão revoltada com a minha mãe que a nossa convivência era quase impossível. O que me ajudou bastante foi a terapia, não tinha dinheiro pra fazer na época, mas Deus colocou um anjinho na minha vida que fez a terapia quase de graça. Hoje já tem 4 anos que comecei esse tratamento e tem 16 anos que o abuso parou. Me sinto livre pra viver, porque parei de sentir culpa! não tenho mais culpa por não ter feito nada para que o abuso parasse, não acho mais que sou um lixo, não me sinto inferior a outras mulheres…. me limpei de tudo isso. Acolhi a minha criança, protegi a minha criança, mostrei a ela que nem todos os homens são ruins e que ela pode confiar no poder de discernimento que tem.
      Mas, uma coisa não posso negar, essa é uma situação que me machuca até hoje. Sempre que vejo algum caso na TV, sempre que ouço alguma história, sempre que trabalho alguma coisa na terapia que leva a esse ponto. Mas, a dor agora é libertadora. Estou pedindo muito a Deus e ao anjo da guarda pra me libertar por completo. Tenho fé que um dia todas as crianças vão estar protegidas, pois todas as mães serão conscientes e vigilantes! Quando eu for mãe, quero muito ter a oportunidade de fazer diferente!!!
      Força!! todas nós vamos vencer esse fantasma!!!



      1. jean

        tem ração eu fui abusado aos 3 e 5 anos pela mesma babá naquela epóca eu achava legal pois eu era pequeno e não e facil pra que teve que fazer sexo a força



  8. neide

    sofri um abuso sexual aos meus 5 anos de idade,o abusador foi meu irmão adolescente,fiquem atentos pois todo mundo é suspeito. Até hoje tenho muitos traumas e isso vem me causando muito panico, pois tenho uma menina de 4 anos e morro de medo que ela passe o mesmo.
    Desde que separei do pai dela me privo de um relacionamento por medo. Desejo esperar ela crescer mais. Tive que fazer terapia, pois eu a protegia demais, porém sempre acho que isso é normal…
    Bom só mesmo DEUS para dar a completa proteção. bjs



  9. J.A

    Acredito que um dos motivos para a criança do sexo masculino manter-se calada com relação ao ocorrido, mesmo após o crescimento e amadurecimento, seja cultural.
    Existe a cultura do machismo e da aversão à homossexualidade; o menino, abusado por um homem, tende a temer que o ato de revelar/denunciar o abuso, acarrete numa reação de preconceito e asco por parte de seus familiares e amigos, mesmo que o fato de ter sido uma vítima de abuso não signifique, necessariamente, alteração da sua orientação sexual.
    Pelo menos comigo foi assim.



  10. Odivia Barros

    Oi Cláudia,

    O título do seu artigo diz tudo. É super necessário saber como evitar e como prevenir o abuso sexual infantil. E como falar disso com as nossas crianças?? Em 2011 lançarei um livro infantil para ser trabalhado com crianças na educação infantil. Escola e educadores são importantíssimos nessa luta. Mas os próprios pais podem usar o poder das histórias para alertar seus filhos e essa ambém é uma forma de tentar protegê-los.
    Gostarei de saber a sua opinião sobre o meu livro.

    Abraços,
    Odívia Barros